juntos somos mais fortes

  • Recente

    sexta-feira, 9 de julho de 2010

    Diamantino Manuel Miranda

    Sarilhos Pequenos. 3 de Agosto de 1959. Médio e avançado.
    Épocas no Benfica: 9 (79/80 e 82/90). Jogos: 309. Golos: 83. 
    Títulos: 4 (Campeonato Nacional), 4 (Taça de Portugal) e 2 (Supertaça).
    Outros clubes: Vitória de Setúbal, Amora e Boavista. 
    Internacionalizações: 22.



    Quando Diamantino virou Diamante, a razão não foi a lei do menor esforço. Também não foi por apócope. Foi, isso sim, a exaltação dos seus méritos enquanto jogador de futebol. Era mesmo um diamante. Em bruto, mas não muito, no dealbar da carreira. Precioso, mas sempre muito, na fase da consolidação. Por isso, vingou no Benfica e na Selecção Nacional.

    Homem da Margem Sul, cresceu na Moita, a dois passos do Barreiro, outros tantos do Montijo, zona de excelência para o recrutamento de bons discípulos da doutrina da bola. Pela mão de um tio, começou na capital do distrito, treinando-se no Vitória de Setúbal. Como lhe jorrava o talento, dos iniciados saltou para os juniores, queimando a etapa dos juvenis. Às selecções chegaria, para logo polarizar as atenções do Benfica e do Sporting. Com afecto, optou por vestir de vermelho.

    Na primeira temporada, na Luz, já sénior, sob o comando de Mário Wilson, realizou nove jogos, com dois golos apontados. Só se deu a conhecer. Emprestado ao Amora e ao Boavista, as expectativas revelaram-se profícuas. Não pretextou, mas amadureceu. Abriram-se-lhe de novo as portas do Glorioso.

    Já internacional A, Diamantino encontrou um novo treinador, Sven-Goran Eriksson, que de pronto se deixou enternecer pelos seus encantos. Jogou assiduamente nessa época (82/83), marcada pela obtenção da dobradinha e pela presença na final da Taça UEFA. No ano imediato, marcaria 19 golos em 29 jogos, o seu melhor registo a contar para o Nacional.



    Incontornável no Benfica, com a vertigem do drible, a magnitude da assistência e o deleite do golo, Diamantino não poderia passar ao lado do Euro 84 e do Mundial de 86. Destacou-se, mais até no México, com um golo da sua lavra, a despeito da campanha ter sido menos bem sucedida. Despediu-se em Guadalajara, na sequência do caso Saltillo, lançando o grito de alerta na defesa da dignidade dos profissionais do seu oficio.

    No dia 21 de Maio de 1988, o Benfica realizava, frente ao Vitória de Guimarães, um ensaio com vista à final da Taça dos Campeões, em Estugarda, com o PSV. Vivia-se uma espécie de Diamantinodependência. Lesionou-se gravemente. Talvez por essa razão a vitória tivesse escapado.

    Foi capitão da equipa, numa altura em que Bento e Shéu, em final de carreira, começaram a ser menos utilizados. Venceu quatro Campeonatos, quatro Taças e duas Supertaças. Destaque para a final do Jamor, com o Sporting, em 86/87, com os dois golos da vitória.

    Em 89/90, Diamantino reencontrou Eriksson. Mas não houve deja-vu. O técnico que o lançou na ribalta também o dispensou do plantel, a bordo de um avião, procedente de Maputo. O rendez-vous deu-se logo a seguir. É que a família benfiquista não renuncia a Diamantino.

    Sem comentários:

    Enviar um comentário

    Follow by Email