juntos somos mais fortes

  • Recente

    quarta-feira, 19 de julho de 2017

    Excedentários



    Para além dos que "despromovidos" para a equipa B (que foram à Suiça), temos ainda excedentários que estavam emprestados e ainda não foi encontrada uma solução.
    Jogadores como Murillo ou Celis têm mercado há outros, como Ola John e Victor Andrade, que vão perdendo cotação.


    Vitor Andrade

    Chegou em 2014 ao Benfica, mas esteve muito longe do sucesso. O empréstimo ao 1860 Munique também não correu nada bem, com uma grave lesão que lhe tirou grande parte da temporada, e a descida de divisão.
    Tem mais dois anos de contrato e a cotação em queda.

    John Murillo

    Tem ordens para se apresentar esta semana na Luz, visto ainda não ter destino traçado. Fez duas boas épocas em Tondela e ganhou traquejo de futebol europeu.
    Mercado não lhe falta, quer em Portugal, quer em vários países europeus, quer ainda na MLS, pelo que o Benfica prefere fazer um encaixe com uma venda definitiva. Tem mais três anos de contrato.

    César

    A temporada no Nacional correu muito mal. Primeiro, os insulares desceram e ficaram no último lugar da Liga NOS. Depois, o jogador foi criticado, inclusive pelo próprio presidente Rui Alves, que o classificou como «o pior central» que conheceu.
    Com mais dois anos de contrato com o Benfica, a possibilidade de ficar em Portugal é curta e um regresso ao Brasil é o cenário mais provável.

    Derley

    Era esperado esta segunda-feira em Lisboa para resolver o seu futuro e, muito provavelmente, para se desvincular das águias, onde chegou em 2014.
    Tem mais um ano de contrato, mas não conta e não se tem valorizado nos vários empréstimos. Ainda se falou para rumar ao Desportivo das Aves, mas continuar em Portugal é um cenário pouco provável.

    Fariña

    Um dos casos mais longos. Chegou à Luz em 2013, nunca jogou e esteve emprestado a cinco clubes desde então, o último dos quais o Asteras Tripolis, onde não foi mais do que razoável.
    É falado em Avellaneda para um possível regresso ao Racing, o que pode ser acessível, visto ter apenas mais um ano de contrato com as águias.

    Dawidowicz

    Tem mais dois anos de contrato, mas pouca margem na Luz para algo mais do que um novo empréstimo a uma equipa de menor dimensão do centro da Europa.
    Ainda se achou que pudesse fazer algo ao estilo de Lindelöf, mas a progressão não foi a mesma e a adaptação à exigência do clube também foi sempre mínima.

    Ola John

    Um dos casos que parece mais adiantado (pelo que se tem escrito) e ao mesmo tempo distante de uma resolução.
    O extremo é pretendido na Corunha, ainda que o Deportivo esteja reticente quanto ao que pagar ao Benfica por um jogador que não chegou a ganhar a titularidade em Espanha. Um regresso à Holanda também já foi equacionado, se bem que sem a mesma força. Tem mais dois anos de contrato.

    Alexandre Alfaiate

    Emprestado à Académica na época passada, o defesa formado no Benfica não conseguiu a regularidade que procurava e regressou à base.
    Não há muita informação sobre a sua situação que até pode passar por um regresso à equipa B, pelo menos provisoriamente.

    Lystcov

    Os responsáveis encarnados esperavam que o russo tivesse mais minutos na cedência ao Tondela, mas ficou-se pelos sete jogos.
    Há a hipótese de voltar a rodar num clube da Liga NOS ou então de voltar para a Rússia, aí num cenário de venda como hipótese.

    Sarkic

    Foi muito pouco o que conseguiu fazer no Fafe, o que não abona a seu favor.
    A passagem pela equipa B também nunca foi convincente, pelo que este é um assunto em que as águias poderão optar pela rescisão. Mesmo assim, tem apenas 19 anos, o que ainda lhe confere alguma margem de erro.

    Gil Costa

    É dos que tem um contrato mais longo (acaba em 2021) e ainda uma boa margem de progressão, que fará com que existam muitos interessados no seu empréstimo, até porque é um jogador de seleções jovens. O empréstimo ao Arouca correu mal, mas nem por isso o médio terá ficado queimado.

     Guillermo Cellis

    Depois de uma carreira feita no Junior Barranquilla, Guillermo Celis assinou pelo Benfica onde não conseguiu destronar Fejsa como principal opção no meio campo defensivo encarnado e acabou emprestado ao Vitória, clube onde acabou por assumir a titularidade e ganhar traquejo no continente Europeu.
    Apesar disso não deverá ficar na Luz e, por isso mesmo, o Vitória está debaixo de olho.

    Carlos Ponk

    O defesa contratado ao Farense ainda não se estreou na equipa principal do Benfica mas leva já alguma experiência de Primeira Liga fruto de dois empréstimos ao Paços de Ferreira e, mais recentemente, ao Desportivo de Chaves, onde acabou por se destacar.
    Fora das opções de Rui Vitória mas com demasiada experiência para a equipa B dos encarnados, o Aves está atento à situação do central que termina contrato em 2020.


    in ZeroZero 

    Sem comentários:

    Enviar um comentário

    Follow by Email