juntos somos mais fortes

  • Recente

    segunda-feira, 12 de abril de 2010

    Carlos Manuel Correia Santos

    15 de Janeiro de 1958. Médio.
    Épocas no Benfica: 9 (79/88). 
    Jogos: 320. Golos: 58. Títulos: 4 (Campeonato Nacional), 5 (Taça de Portugal) e 2 (Supertaça).
    Outros clubes: CUF, Barreirense, Sion, Sporting, Boavista e Estoril. Internacionalizações: 42.

    Plantel 1985/1986

    Enquanto labutava nas oficinas da CP, no seu Barreiro natal, o estridente apito dos comboios zurzia-lhe os ouvidos. Com outro timbre sonhava já Carlos Manuel, o apito de árbitro, naquelas construções mentais em que se imaginava, equipado a rigor, num recinto de futebol, alvoraçando as massas.

    Depois da CUF, no início do trajecto, fixou-se no Barreirense, quentes eram ainda os ecos de Abril. Sempre a trabalhar, recorda, “nove horas por dia batendo com uma marreta de dez quilos nas rodas das locomotivas”. Sporting e FC Porto ficaram para trás, mais atractiva era a proposta do Benfica. Viagem curta, até ao cacilheiro servia, com Frederico selou compromisso de águia. Era Mário Wilson o treinador, passava a época de 79/80. Aziaga, que um terceiro lugar era algo que os benfiquistas não cogitavam. Intermitente começou o moço do Barreiro, até à 11ª primeira jornada, a 25 de Novembro, data em que a equipa, desastrosamente, claudicou, em casa, frente ao Boavista (1-2).

    “Esse foi o jogo da minha vida”. Na mais refinada ironia. Substituído à passagem da meia hora, por Cavungi, a ira dos adeptos traduziu-se num ruído próximo do golo, só que de sinal oposto. “Se calhar, a intenção do grande Mário Wilson até era a melhor, mas estava a jogar tão bem…”. Não mais perdeu a titularidade. Voz do povo, voz de Deus.

    Começou a escrever quilómetros de grande futebol. Era a “Locomotiva do Barreiro”, alcunha popularizada no exigente e sábio Terceiro Anel. Pouco mais tarde, com Lajos Baroti, haveria de passar por desinteligências. A asa direita restringia-o, sentia que ao centro é que era, ai sim, atingiria o zénite. E com João Alves, Shéu, Chalana, também José Luís e Stromberg, compôs um dos “miolos”, nesse e nos anos seguintes, mais técnicos, mais eficientes, mas produtivos, seguramente de toda a história do clube do povo.


    Carlos Manuel era um daqueles exemplares da mística benfiquista, na versão anos 80. Tal como Eusébio, cerca de duas décadas antes, também ele, trabalhador insano, permanecia no pós-treino a rematar à baliza, na mais pura auto-satisfação. Fez-lhe bem. Aprumou faculdades. “É giro que, já a maioria dos colegas estava no duche, fazia eu apostas com o Eusébio, era o King treinador adjunto. Na maior parte das vezes perdia, mas os conselhos, esses, acho que os assimilava bem”.

    Carlos Manuel não era, não poderia ser, um goleador. Era um estratego. Fulgurante. À direita, produzia mudanças de velocidade e cirúrgicos cruzamentos, que pasmo causavam aos antagonistas. No centro, após concessão táctica de Eriksson, os seus enfeites, com maior amplitude, tornaram-se manifestações de respeito. Não deixou, porém, este repentista de proclamar o golo, umas boas dezenas de vezes.

    Decisivo foi em partidas que encatarroaram milhares de gargantas nos campos ou em frente aos televisores. Como aquela final da Taça, correspondente ao ano de 83, nas Antas, após birra azul e branca, com um golo magnifico, que deixou o país em transe. À batota dos gabinetes correspondeu Carlos Manuel, subscrevendo um dos momentos mais deprimentes da vida do rival nortenho.

    De quinas ao peito, lenda virou o golo de Estugarda, garantia do passaporte de Portugal, rumo ao México 86. Antes do jogo, José Torres, o seleccionador, pediu que o deixassem sonhar, enquanto Carlos Manuel dava a garantia que os jogadores iriam “comer a relva se tal fosse necessário”. Generoso pressentimento. Assim foi e o jogador do Benfica, num dos mais patrióticos pontapés de sempre, colou a bola nas redes alemãs, virgens estavam em matéria de insucessos caseiros, há mais de 30 anos.Moita.



    Nove temporadas ininterruptas jogou no Benfica, que até nem era o amor de infância. Frontal, com o coração uns centímetros acima do que é normal, mais ao pé da boca, Carlos Manuel praticou o culto da liberdade. Jamais aceitou, tal como no campo, as grilhetas do silêncio. Foi um rebelde, no sentido poético do termo. Por isso perdeu delicadezas nos corredores do(s) poder(es). No Benfica ou na Selecção Nacional. Noutras paragens ou noutras funções por que veio a enveredar. Igual a si próprio. Na história ficou.

    Sem comentários:

    Enviar um comentário

    Follow by Email